O servente de pedreiro Luciano Gonçalves dos Santos, 33 anos, foi executado com um tiro na cabeça ao lado de um pinheiro, na manhã de sábado, na Vila Pompéia, Tatuquara. Luciano era casado e tinha um filho de 10 anos, que se debruçou aos prantos sobre o corpo do pai.

O crime aconteceu por volta de 7h na Rua Mateus Luiz Dalagassa, a poucas quadras de onde a vítima morava. A esposa da vítima contou ao investigador Lima, da Delegacia de Homicídios, que o marido saiu cedo para acompanhar o irmão que tomaria um ônibus para o litoral. Como o cunhado não foi localizado, a mulher acredita que o irmão de Luciano já havia embarcado e o marido voltava para casa quando aconteceu o crime.

A polícia constatou que Luciano tinha antecedente criminal por roubo no 7.º Distrito Policial (Vila Hauer), fato que pode ter ligação com seu assassinato. No entanto, não está descartada a hipótese de o servente ter sido vítima de latrocínio (roubo com morte). Luciano havia recebido o salário na sexta-feira e com ele foram encontrados apenas R$ 32. “A mulher disse que Luciano sempre usava uma pochete vermelha onde carregava dinheiro e documentos. A pochete sumiu”, contou Lima.

A polícia ainda não tem suspeitos. Um homem que mora na rua onde o rapaz foi morto contou que só ouviu o barulho de três tiros, mas não conseguiu ver os autores. Segundo Lima, a bala que acertou o pedreiro ficou alojada em sua cabeça.

Perto de onde o rapaz foi morto, funcionam uma oficina mecânica e uma farmácia, mas os estabelecimentos estavam com as portas fechadas quando aconteceu o homicídio.