Uma relação de documentos e objetos apreendidos durante a "Operação Fraude Zero" – deflagrada pela Polícia Federal no dia 9 de novembro, em Curitiba, quando onze endereços da capital passaram por uma vistoria, inclusive o apartamento de Antônio Celso Garcia, mais conhecido como Tony Garcia – foi divulgada ontem no portal Gazeta de Novo (www.gazetadenovo.com.br), de Guilhobel Camargo.

No site estão descritos todos os documentos encontrados na residência de Roberto Ângelo Siqueira, que seria sócio de Tony Garcia na empresa Eldorado Corretora de Mercadorias Ltda., e também no escritório da empresa. Os mandados de busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Sérgio Fernando Moro, da 2.ª Vara Federal Criminal de Curitiba.

A PF iniciou a análise de toda a documentação em conjunto com fiscais da Receita Federal (RF) ainda em novembro. De acordo com a assessoria da Polícia Federal, parte dos documentos já foi encaminhada para a Justiça. No entanto, a quantidade de material a ser analisado pelos profissionais ainda é grande, informou a PF, uma vez que foram cumpridos onze mandados expedidos pela Justiça Federal.

Entre outros documentos, foram divulgados no portal uma prestação de contas ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da campanha eleitoral deste ano, um contrato mútuo de dinheiro com fiança de Osmar Bertoldi, candidato a prefeito de Curitiba neste ano e que foi apoiado pelo prefeito Cassio Taniguchi, uma caixa contendo fitas K-7 gravadas de Tony Garcia, um revólver Taurus com 16 projéteis e quatro vales e cinco recibos pró-labore do Consórcio Nacional Garibaldi.

O site também relaciona diversos documentos da empresa Navarone Veículos Ltda., uma caixa contendo talões de cheques e extratos bancários, disquetes, declaração de imposto de renda da empresa MR Surf Skate Shop Comércio de Artigos Esportivos Ltda. do ano de 1993, extrato bancário do Bradesco e do banco Chase, três contratos de locação de linhas telefônicas da Agência Nacional de Telefonia (Anatel) em São Paulo, escrituras de vendas e compras do 22.º Cartório de Notas/SP e duas certidões simplificadas da Baltimore S.A, outra empresa de propriedade de Garcia.

Processo

No final de semana, o portal Gazeta de Novo já havia divulgado nove páginas do processo contra Tony Garcia, onde constam diligências, intercepções telefônicas e a quebra de sigilo bancário do ex-deputado. Além disso, existem indícios no processo de que Tony Garcia, Roberto Ângelo Siqueira, Antônio Eduardo de Souza Albertini e possivelmente Sérgio Luiz Malucelli, teriam se associado.

STJ

Segundo a assessoria de imprensa do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ainda não há previsão para que o conflito de competência impetrado pelo Ministério Público Federal (MPF) no Paraná seja apreciado em Brasília. O ex-deputado continua detido no Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), junto com outros três presos, aguardando a decisão do STJ. O julgamento do recurso impetrado pelos advogados de Garcia no STJ contra a decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região, que não concedeu a liminar de habeas corpus pleiteado pelo ex-deputado, deve acontecer somente no próximo ano.