Uma caixa de sapatos, caprichosamente encapada com um papel florido, abrigava o corpo de uma recém-nascida, com alguns brinquedos. O caixão de papel estava enterrado, com uma flor na cabeceira, num bosque da Praça Herculano Zibarth, na Rua Augusto Steembock, Uberaba. O túmulo improvisado foi descoberto por duas moradoras, foram juntar pinhões.

A dona de casa Vicentina dos Santos, 53 anos, contou que seguia com sua mãe por uma das trilhas, e desconfiou da flor. Elas não tiveram coragem de ver o que havia na caixa e chamaram um rapaz. Dos curiosos que transitavam pela praça, explicou o tenente Vinícius Budal, do 20.º Batalhão da PM, ninguém sabia pistas da mãe.

Investigação

O perito Leandro Lima não constatou lesões na criança. O bebê ainda estava com o cordão umbilical e possivelmente foi enterrado na noite de domingo, data provável de sua morte. O perito explicou que, exames no Instituto Médico Legal vão indicar se o bebê nasceu morto ou o que causou sua morte.

A caixa foi levada ao Instituto de Identificação, em busca de impressões digitais. Material genético do bebê também foi coletado, para que seu DNA possa ser confrontado com suspeitos que surgirem nas investigações. A Delegacia de Homicídios cuida do caso.