Fotos: Adriana Cardoso/Jornal do Iguaçu

Líderes da rebelião em Foz foram identificados.

Depois de quase 22 horas rebelados, os presos da Cadeia Pública Laudemir Neves, em Foz do Iguaçu, se renderam às 8h de ontem. Os detentos liberaram o agente carcerário Barbosa, que permaneceu refém durante o motim, sendo torturado pelos presos, e entregaram quatro armas: três revólveres calibre 38 e uma pistola nove milímetros. Durante a manhã, policiais fizeram uma varredura na cadeia e recolheram estoques (armas improvisadas).

Os líderes do motim foram identificados pela polícia e autuados em flagrante pelo delegado Marco Antônio Góes. Adair Lemes, 31 anos, que está preso por roubo, foi o detento que simulou passar mal, e foi levado para a enfermaria, de acordo com o delegado. Enquanto era atendido, Adair surpreendeu os agentes, levantando-se bruscamente e atirando contra eles. ?Este homem é perigoso. O irmão dele, Manoel Mendes, está preso por roubo em Curitiba. Adair foi o autor dos disparos que atingiram os agentes Alcindo Jacinto Desidério, 31 anos, e César Matji, 33?, contou Marco Antônio. Alcindo morreu na hora. César, permanecia internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e, segundo informações da polícia, os médicos constataram sua morte cerebral.

César está na UTI.
Alcindo morreu na hora.

Adair foi autuado em flagrante pelo homicídio e tentativa de homicídio, referente aos agentes, e pelo motim. Também foram autuados pelos mesmos crimes Emerson de Jesus Moreno da Silva, 30 anos; e Daniel Filipini Michieleto, 24; ambos presos por roubo. Marcelo José Carvalho, 22 anos, que está recolhido por porte ilegal de arma e assalto, irá responder pelos crimes de tortura, motim e dano ao patrimônio público, junto com Claudinei dos Santos, 29 anos, que está preso por roubo e tráfico de drogas. ?Durante o motim eles cobriram os rostos, mas os identificamos através das tatuagens. O Marcelo e o Claudinei pisavam na cabeça do agente, davam-lhe coronhadas e apontavam as armas para os policiais que estavam do lado de fora?, detalhou Marco Antônio.

Também foi morto durante a rebelião o detento Fernando Dendena, 22 anos. Ele estava recolhido na cadeia há uma semana, por porte de drogas.

Onze serão transferidos para o presídio de Foz

O delegado Luís Alberto Cartaxo de Moura, que comandou as negociações, informou que, inicialmente, 11 detentos serão transferidos para o Presídio Estadual de Foz do Iguaçu. A Cadeia Pública Laudemir Neves tem capacidade para 350 detentos, e abrigava 770. ?Tiramos as lideranças. Instauramos o inquérito policial para apurar como as armas entraram no presídio?, afirmou o delegado. Esta foi a segunda rebelião que ocorreu este ano, na cadeia de Foz do Iguaçu. A primeira aconteceu no dia 14 de maio e durou dois dias, mas não houve mortos. A rebelião que terminou ontem foi considerada a mais violenta dos últimos anos, na cidade. Além dos agentes e preso mortos, outro agente e onze detentos saíram feridos.