Héder ficou com o corpo crivado de balas.
Assassinos seriam menores de idade.

Tiros de pistola marcaram a parede do Bar do Vicente e mataram, Héder José Dombroski, 19 anos, às 20h40 de quinta-feira, na Rua Erides Celeste de Pool Popune, Sabará, CIC. O rapaz foi perseguido por dois indivíduos que o alcançaram na cozinha do estabelecimento e o executaram. Vítima e assassinos, possivelmente menores, moravam no mesmo bairro e o motivo seria uma rixa antiga.

Héder entrou no bar, cheio de gente, pedindo por socorro, tendo em seu encalço dois indivíduos, conforme apurado pelo tenente Caron, da Rone (Ronda Ostensiva de Natureza Especial) do 13.º BPM. “Não sabemos se os dois ou apenas um deles estava armado com a pistola, provavelmente calibre 765”, comentou o policial. Héder correu entre os freqüentadores do bar, passou o balcão e tentava fugir pelos fundos, quando foi baleado. Socorristas do Siate foram chamados e constataram cinco perfurações no peito da vítima e mais duas em um dos braços. Nas paredes e na mesa de sinuca marcas de tiros denunciavam a violência do atentado e davam uma idéia do pânico em que entraram as pessoas que estavam lá dentro.

Suspeitos

Rodocino Correa Vidal, 56 anos, que atendia os fregueses disse não ter visto quem eram os assassinos. “Coloquei as mãos na cabeça e me escondi contra a parede”, relatou. “Nunca tinha passado por isso, estou de sócio aqui há apenas cinco dias, pois nenhuma empresa dá emprego a pessoas com a minha idade”, disse. Nenhum dos freqüentadores do bar apareceu para ajudar a polícia a identificar os assassinos, porém a PM conseguiu os primeiros nomes de dois garotos que teriam ameaçado a vítima dias antes.

“Fizemos buscas na região e apreendemos quatro adolescentes suspeitos, mas ninguém teve a coragem de reconhecê-los como autores do assassinato”, lamentou o tenente Caron. Conforme levantado pela PM, os envolvidos tinham uma rixa “de vila” ou de mulher. O sargento Mecenas, que também atendeu à ocorrência, informou que, pelos cadastros da polícia, Héder já teria passagem por porte ilegal de arma. Dois dos detidos foram conduzidos à Delegacia do Adolescente, mas, por falta de provas, liberados.