Athayde de Oliveira Neto, 23 anos, organizador do show Unidos pela Paz, que provocou a morte de três adolescentes no último dia 31 de maio, no Jockey Club do Paraná, foi preso na tarde de ontem, depois de prestar depoimento por mais de duas horas à Promotoria de Investigação Criminal (PIC). Logo após o depoimento, ele foi levado ao Centro de Observação e Triagem, e depois, conduzido à Casa de Custódia, na Cidade Industrial de Curitiba.

Athayde havia conseguido na quarta-feira um habeas corpus junto ao desembargador Jesus Sarrão, do Tribunal de Justiça (TJ), por isso se dirigiu à PIC para depor. Todavia, a própria promotoria conseguiu junto à Central de Inquéritos um mandado de prisão preventiva, assinado pelo juiz Marcelo Ferreira. “Fizemos o pedido na última sexta-feira, mesmo antes dele conseguir o habeas corpus para a prisão temporária. As duas formas de ele pedido de prisão têm finalidades diversas”, afirmou o promotor Paulo Sérgio de Lima, responsável pelo caso.

Lima explicou que a prisão temporária foi pedida para ajudar nas investigações. Já a prisão preventiva é processual, ocorre quando há clamor público. “Foi uma surpresa, mas não foi deliberada. Recebemos o mandado de prisão hoje (ontem) e fizemos cumprir, já que ele estava na promotoria”, contou Lima, destacando que os promotores tiveram a cautela de informar Athayde da prisão somente após o depoimento, para não interferir no teor a ser deposto.

Perplexo

O advogado de Athayde, Júlio Militão da Silva, se mostrou perplexo ao saber que seu cliente havia sido preso. “Tenho trinta anos de carreira e nunca vi coisa igual”, reclamou, afirmando que iria procurar o próprio desembargador Sarrão para conseguir novo habeas corpus. Conforme a assessoria do TJ, até o início da noite de ontem ele ainda não havia protocolado o pedido.

A mãe de Athayde, Raquel Silveira de Oliveira, não se conteve e caiu em lágrimas ao saber da prisão do filho. Durante toda a tarde ela esperou ansiosa o fim do depoimento de Athayde. Questionada, Raquel disse que não é a Justiça, por isso não pode definir quem são os culpados. Ela afirmou apenas que Athayde sempre foi um rapaz responsável. “Eu acredito no poder de Deus”, afirmava antes da prisão.

Sou responsável

Conforme o promotor Paulo Sérgio de Lima, Athayde assumiu toda a responsabilidade pela organização do show. O promotor explicou que o rapaz disse que Luiz Fernando Mussi, que depôs na terça-feira, nada teve a ver com o caso. “Ele disse que Fernando é seu amigo. Que organizaram dois shows juntos anteriormente, mas que nesse show a organização foi de total responsabilidade dele”, contou o promotor, destacando que se no decorrer do processo existir necessidade, Athayde será novamente convocado a depor.