A polícia prendeu cinco suspeitos de terem matado o engenheiro-chefe do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Carlos Alberto de Camargo Coelho, a esposa dele, Ana Terezinha, 55, e o filho do casal, Paulo Roberto, de 23 anos. A prisão aconteceu menos de 24 horas depois de o crime ser descoberto. O triplo assassinato aconteceu em Apucarana, Norte do Paraná.

Entre as cinco pessoas detidas, quatro são adolescentes. Eles são acusados também de ter roubado diversos aparelhos eletrônicos que estavam na casa e o carro da família. “Nós recebemos uma denúncia anônima de que um dos menores estaria passeando pelo bairro com o carro do casal, um Golf cinza, e fomos atrás do menino. Ele acusou mais quatro pessoas de ter participado dos crimes”, explica o delegado Acácio.

No interrogatório feito ontem, no 17.º Distrito Policial de Apucarana, Alexsander dos Santos, 21, e um garoto de 13 anos confessaram os crimes de roubo e assassinato. Outros três adolescentes, de 16 e 17 anos, afirmam que só foram até a casa buscar os objetos roubados.

Os assassinos confessos contaram que eram amigos de Paulo Roberto, o filho do casal. No sábado à noite, foram à casa dele jogar videogame. Na hora de ir embora, renderam todos e ficaram na casa até 5h30 da madrugada do dia seguinte. Eles afirmam que o objetivo era somente roubar, mas ficaram com medo de ser denunciados e resolveram matar a família.

A polícia ficou sabendo do crime pelos próprios funcionários do DER, que foram procurar Carlos na terça-feira, pois ele não aparecia no emprego e ninguém atendia aos telefonemas. Chegando na casa, os funcionários perceberam o mau cheiro e pularam o muro para entrar. As vítimas estavam amarradas, amordaçadas e tinham sido mortas a pauladas, segundo avaliação preliminar. Os vizinhos dizem não ter percebido nenhuma movimentação estranha, nem notaram o sumiço da família. O carro do engenheiro foi encontrado completamente queimado próximo ao lixão da cidade.