Fabiano, Anderson e o menor,
envolvidos na morte.

A delegacia de São José dos Pinhais apresentou ontem à tarde os autores do assassinato de Adelina Werneck, 81 anos, encontrada sem vida dentro de sua residência, no centro daquela cidade, na madrugada do último dia 15. A anciã foi vítima de latrocínio (roubo com morte). Um dos participantes do crime – Giancarlo Ferreira da Cruz, 18 anos – ainda está foragido.

Fabiano Alexssander Caetano, 20 anos, Giancarlo e um menor, de 12 anos, que se faziam passar por guardadores de carro e dividiam moradia num mocó, ficaram sabendo que Adelina tinha dinheiro e possuía bens valiosos dentro da residência e resolveram ir até lá para conferir. Segundo o menor, a ele coube a missão de distrair o segurança de um posto de combustível, que fica em frente a casa, e depois vigiar a aproximação de alguém estranho.

Fabiano e Giancarlo forçaram a porta e conseguiram abrir uma fresta, para a passagem do braço. Conseguiram pegar a chave que estava na fechadura da porta. Eles encontraram Adelina deitada em seu quarto e resolveram amarrá-la com as próprias roupas do corpo, conforme a polícia. Suspeitou-se no local do crime que a vítima foi molestada sexualmente, mas exames preliminares realizados no Instituto Médico-Legal (IML) não confirmaram a violência, porém outros exames complementares estão sendo realizados. O resultado desse laudo ainda não saiu.

Fabiano nega que tenha estuprado e matado a anciã, mas o menor afirma que sim. Adelina foi morta por asfixia. Da residência, os marginais levaram o televisor, o aparelho DVD, a máquina fotográfica e um rádio.

Fabiano foi detido um dia após o crime, mas libertado por falta de provas. “Depois da prisão começamos a monitorar os passos dele”, contou um policial. A prova do crime foi apreendida com um receptador. Anderson José da Silva, 21, foi detido com o rádio que havia sido roubado da casa de Adelina.