O policial militar Vandelci de Oliveira, 36 anos, que estava na reserva, foi morto com cinco tiros na cabeça, na madrugada de sábado, por volta da 1h30. O assassino é suspeito de ter matado outra pessoa, durante uma festa de igreja, no dia 13 de novembro do ano passado.

Casado e morador do Tatuquara, Vandelci entrou em uma pizzaria da Rua Enette Dubarde, no bairro onde morava, e cumprimentou dois amigos. Mal entrou, um homem que estava do lado de fora da pizzaria há algum tempo, olhando o movimento, o seguiu e sem dar uma palavra atirou contra Vandelci.

O policial estava armado com um revólver calibre 32, pendurado na perna esquerda, porém foi pego de surpresa e não teve chance de se defender. Após matar o policial, o assassino fugiu a pé.

O motivo do assassinato é desconhecido pela Delegacia de Homicídios, que esteve no local coletando os dados sobre o crime.

Solto

O assassino, segundo contaram testemunhas, chama-se "Edimilson", e seria o mesmo homem que matou Edson Boeno de Almeida, em novembro do ano passado. Edson assistia à apresentação de uma banda de música, na confraternização feita no pátio da Capela Santa Rita, na Rua Arcésio de Barros Lima, no Tatuquara, feita para angariar fundos para a construção da igreja. Em um certo momento, foi surpreendido por seu assassino, que lhe desferiu tiros e o matou ali mesmo, debaixo da tenda montada para a festa, no meio do público. Na época, o atirador foi identificado como "Denilson".