A Secretaria Estadual de Administração e Previdência (Sead) deve entregar hoje, a representantes das Polícias Civil, Militar e Científica, as tabelas com propostas de novos salários, com base nas negociações que vêm ocorrendo desde a semana passada. As três classes concordam que houve avanços razoáveis nos aumentos. Mas as tabelas que deveriam ter sido entregues ontem, conforme divulgado na agência de noticias do governo, não foram recebidas pelos representantes das três entidades até a noite.

Antes do Carnaval, o governo entregou aos representantes das entidades sua proposta de novos salários, que foi rejeitado por todas as categorias. A proposta ficou muito aquém do que já vinha sendo negociado no ano passado e os policiais, em geral, fizeram manifestações e ameaças de greve. Quem chegou mais perto da paralisação foi a Polícia Civil, que até fez as notificações necessárias conforme a lei. Uma liminar do Tribunal de Justiça, porém, impediu a greve. Passada a festividade, Sead e entidades represdentativas voltaram à negociar, discutindo percentuais de aumento e melhores formas de valorizar cada carreira, sem citar exatamente valores. As conversas se deram na quinta-feira passada, com representantes da Polícia Militar, na sexta-feira com a Civil e ontem com a Científica.

Com base nas negociações, o Sindicato dos Peritos Oficiais e Auxiliares do Paraná (Sinpoapar) reuniu a classe em assembleia ontem, para discutir a proposta. De acordo com o presidente do sindicato, Ciro Pimenta, os aumentos são razoáveis e o objetivo da reunião, ontem, foi a de discutir a nova metodologia de pagamento que está sendo proposta. Assim como na Polícia Civil e Militar, o pagamento deverá ser feito por subsídio, ou seja, todas as gratificações serão unificadas ao salário base, num só valor. Fora disto, será pago somente o adicional por tempo de serviço. Com isto, a tabela de pagamento ficou bem complexa e foi esta nova metodologia que a classe debateu ontem.

“O reajuste é razoável. Mas ainda ficaram alguns detalhes que necessitam ser esclarecido. Vamos esperar que o governo divulgue a tabela com valores para que possamos convocar nova assembléia”, explicou Pimenta.

Civil e Militar

Assim como o Sindicato das Classes Policiais Civis do Paraná (Sinclapol), o coronel Eliseu Furquim, representante da classe militar, afirma que também não recebeu a tabela com os valores finais até ontem à noite. Mesmo assim, das negociações ficou o sentimento de que o diálogo para negociação está aberto e que há algum avanço na valorização da hierarquia e carreira na PM. É provável que, no sábado, a classe se reúna em assembleia para discutir a tabela do governo. Para o coronel, o que deve ser melhorado é o salário inicial da carreira. O Sinclapol ainda não definiu quando será sua próxima assembleia.