Cinco policiais militares acusados, em 2004, de atear fogo em um menino, morador de rua, dentro do módulo policial do Largo da Ordem, foram absolvidos sumariamente da tentativa de homicídio, pela juíza da 1.ª Vara Criminal, Elizabeth Nogueira Calmon de Passos.

O então sargento Edgar Antunes de Souza e os soldados Odair José Bonczkowski, Samuel Ribeiro da Silva, Osvaldo Penenanete e Joel Fernandes de Lima Filho abordaram a vítima em 19 de janeiro, depois de receber denúncia de furto próximo ao Shopping Mueller.O adolescente foi encaminhado ao módulo, onde teve 80% do corpo queimado. Ele foi socorrido e ficou por mais de um mês internado no Hospital Evangélico.

Acidente

Um dos advogados dos policiais, Eduardo Miléo, alegou que o incêndio foi acidente. “O menino estava encharcado de tíner e passou perto do fogão do módulo. Lá, aconteceu a explosão”, explica.

A vítima compareceu a todas as audiências. A sentença foi proferida em 17 de dezembro e será publicada nos próximos dias, dispensando a necessidade de júri popular. Os policiais também foram denunciados por tortura. Os advogados de defesa irão recorrer da decisão por este novo julgamento.