Assassinato de Reginaldo
Store, na sexta-feira.

Policiais da Delegacia de Homicídios já começou a ouvir testemunhas do assassinato do comerciante Reginaldo Store, 32 anos, morto com três tiros nas costas, às 18h15 de sexta-feira. Nas próximas horas parentes e amigos do comerciante prestarão depoimento na delegacia.

O superintendente Neimir Cristovão informou que o principal suspeito do crime, José Zamprogna, proprietário do Supermercado Zamprogna, ainda não entrou em contato com a polícia para se apresentar. “Vamos intimá-lo e se for necessário iremos solicitar a prisão preventiva”, avisou Neimir. Ele seria contra o namoro da vítima com uma de suas filhas. De acordo com o investigador, todas as pistas indicam que o assassinato foi praticado por vingança, porque Reginaldo desafiava a proibição da família e namorava uma das filhas do empresário. Entre as pistas que o suspeito do crime deixou para a polícia, foi o próprio telefone celular, derrubado dentro da Kombi que Reginaldo dirigia na noite em que foi morto. Outra pista são os carros utilizados pelos assassinos. Ambos pertences à família Zamprogna. O Fiesta, de cor cinza, placa AKK-1152, é de propriedade de Jussara Beatriz Zamprogna Grossa, e a Kombi, placa AKT-4602, pertence ao Comércio Alimentício Zamprogna Ltda. “Inclusive tinha o logotipo da empresa na porta do veículo”, salientou Neimir. Os nomes das pessoas que participaram diretamente do homicídio – seriam cinco (quatro homens e uma mulher) – ainda estão sendo apurados.

Morte

Reginaldo era proprietário de uma distribuidora de água. Ele trafegava pela BR-116, com sua Kombi, ano 76, placa ABN-4553, quando foi “fechado” pelo Fiesta, ocupado por um casal. Em seguida, a Kombi com o logotipo do supermercado, ocupada por três homens, emparelhou com o veículo da vítima. Um dos homens começou a atirar e uma das balas acertou o lado da porta do motorista, próximo ao teto.

Após os primeiros disparos, o condutor do Fiesta desembarcou, foi até a Kombi, que já estava parada no acostamento, obrigou Reginaldo a descer e o arrastou para a frente do veículo, momento em que deixou cair o celular. Em seguida, o segurou, enquanto um dos homens que estava na Kombi branca atirou nas costas do comerciante.