A observação de investigadores da Delegacia do Adolescente (DA) descobriu o esconderijo de uma quadrilha organizada, suspeita de envolvimento em roubo, receptação de veículos e falsificação de documentos em São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Durante a investigação, a polícia encontrou em uma casa – de bom padrão – na Rua Augusto de Mari, Vila Guaíra, centenas de documentos pessoais, de veículos, talonários de cheques preenchidos e em branco, além de material de escritório, computadores e impressoras, possivelmente utilizados para produzir documentos “frios”. Duas mulheres -Marilsa Bauoh e Marilva Aparecida Rodrigues -suspeitas de participar da quadrilha, foram presas em flagrante.

Os policiais Arielson, Nielsen, Cláudia e Antônio, da DA, procuravam menores suspeitos de furtos praticados na região. Ao passar pela casa de número 2751 da Rua Augusto de Mari, às 10h30, notaram dois Fiat Marea, um vermelho e outro vinho, estacionados lado a lado e com a mesma placa (DDF-8764, de São Paulo-SP). Decidiram fazer a abordagem e na residência se surpreenderam com a diversidade de documentos, papéis e objetos guardados ali.

Mais de cem

Só em certificados de registro e licenciamento de veículos havia “muito mais de cem”, segundo o policial Ariélson. Carteiras de habilitação, documentos de identidade, cartões de crédito e de banco e talonários de cheque em nome de dezenas de pessoas diferentes também foram apreendidos, bem como objetos pessoais: inúmeros porta-CDs, celulares e bolsas ainda cheias, como se estivessem intocadas após um furto. “A maioria dos objetos possivelmente é de vítimas de roubos”, acredita Ariélson.

A procedência dos documentos, em sua maioria, é de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Mas havia também papéis e passaportes em nome de um americano e de um italiano. Ainda foram apreendidas plaquetas novas para identificação de veículo, sem o número do chassi impresso.