Foto: Divulgação
Origem é investigada pelo
Instituto de Criminalística.

A Polícia Militar de Ponta Grossa apreendeu, no início da tarde de ontem, o restante do arsenal pertencente a uma poderosa quadrilha de traficantes – responsável por abastecer de drogas a região dos Campos Gerais – presa na noite de segunda e madrugada de terça-feira.

O armamento surpreendeu os policiais pelo alto poder de fogo e por ser, a maioria, de uso restrito das polícias e Forças Armadas.

Entre as armas havia uma submetralhadora Uzi, calibre nove milímetros, uma carabina Winchester, calibre 44, e uma pistola calibre 7,65 milímetros. Também foram apreendidos um silenciador, uma luneta com mira a laser, farta munição e uma balança de precisão para a pesagem da droga.

Todo o material estava na residência do acusado de ser o "patrão" da quadrilha, Marcelo Faria Vieira, 25 anos, na Rua Papa João XXIII, Vila Mariana, zona central da cidade. A casa seria o quartel-general do bando e as armas estavam escondidas no fundo da pia da cozinha.

O armamento foi levado ao Instituto de Criminalística, onde será periciado, para verificar se foi usado em crimes praticados na região. Desde setembro do ano passado, aproximadamente 20 mortes relacionadas ao tráfico de drogas já aconteceram naquela cidade. Porém, segundo o tenente relações-públicas do 1.º Batalhão da PM, Fabian Borges Ogura, não se tem notícias de assassinatos ou roubos praticados com os tipos de armas encontrados com a quadrilha. Acredita-se então que o armamento era utilizado apenas para intimidar outros traficantes ou então, usado em crimes fora de Ponta Grossa.

Bronca entrega bandidos

A detenção da quadrilha ocorreu por causa de desentendimento entre seus membros. Joel Bueno, 34 anos, seguia em seu Escort com sua mulher, Silmara, quando foi pego em uma emboscada na zona norte da cidade e foi morto a tiros. Silmara foi atingida com um tiro no rosto e está internada em estado grave. Após perseguir a quadrilha, policiais militares prenderam Marcelo, Vinícius Giordano de Faria, 25, e Marcos Fabrício Jusczak, 21. Como o bando já vinha sendo monitorado, policiais civis e militares foram até a casa de Marcelo, onde também prenderam Ezequiel Alves de Oliveira, 27, e Márcia Regina Javonski, 55. Todos, com exceção de Márcia, foram levados ao Presídio Hildebrando de Souza, onde o policiamento foi reforçado.

O grupo responderá por tráfico de drogas, formação de quadrilha, homicídio e posse ilegal de armas de fogo, incluindo a tentativa de homicídio contra Silmara. Na primeira busca à casa de Marcelo, foram apreendidas três pistolas, duas espingardas, dois revólveres, sete quilos de crack (que renderiam aproximadamente R$ 300 mil), celulares, granadas, coletes à prova de balas, munição, uma caneta-revólver calibre 22, aparelhos de DVD e CD para carros, jóias e um motor de popa. Segundo peritos do Instituto de Criminalística, apenas uma das granadas apreendidas poderia ferir 200 pessoas.