A Delegacia de Homicídios confirmou que o pedreiro Cirzeu Mendes, 50 anos, foi vítima de assassinato. Ele era usuário de drogas e, após se envolver em confusão num bar, foi incendiado na Rua Amador Bueno, próximo à Rua Birmânia, na Vila Centenário, Cajuru.

O crime aconteceu na noite de terça-feira da semana passada e Cirzeu foi internado no Hospital Evangélico, onde morreu na noite de domingo. O delegado Jaime da Luz afirmou que o homem foi atacado por duas pessoas, mas ainda não se sabe o que motivou a barbárie.

Estatística

Já são três casos de pessoas incendiadas, em um mês. Na madrugada de 1.º de julho, o professor Antônio Carlos de Paula, 50, foi queimado vivo na Rua Alcino Guanabara, no Hauer, e morreu em seguida, no hospital.

Jorge Luiz Gomes, 49, e Bernadete de Souza, 33, foram presos pela Delegacia de Homicídios. Outros dois suspeitos foram identificados, mas não tiveram os nomes revelados.

Em 18 de junho, Vilmar Alves Lopes, 52, foi queimado num incêndio criminoso, em sua residência, em Campina Grande do Sul. Ele foi socorrido, mas morreu no hospital três semanas depois. Um adolescente foi apreendido pela polícia e confessou ter ateado fogo na cama da vítima por uma dívida de R$ 50.