Um inquérito policial militar (IPM) foi instaurado contra o soldado que prendeu o padre Vitalino Rodrigues de Lima, 48 anos, na terça-feira passada, acusado de aliciamento de menores. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, o policial é passível de punição, porque investigava um crime sem tê-lo comunicado oficialmente às autoridades competentes. O PM, que estava lotado no serviço reservado do 12.º Batalhão, foi transferido ao Comando do Policiamento da Capital, por ter divulgado, precipitadamente, informações à imprensa. Também deixou de ser agente investigativo e passou a testemunha, devido ao seu envolvimento no caso (ele é vizinho do padre, em Fazenda Rio Grande).

O caso está sendo investigado pelo Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), que permanece em silêncio e não dá qualquer informação sobre o transcorrer do inquérito. Sequer informa se a prisão preventiva do religioso já foi emitida pela Justiça.