A ousadia de três bandidos levou dois deles à morte na tarde de ontem, no Jardim das Américas. Por volta das 15h30, eles tentaram assaltar uma loja de equipamentos náuticos, ao lado da BR-277. O trio só não contava com a rápida ação da polícia, que em poucos minutos surpreendeu os marginais. Houve troca de tiros e dois ladrões morreram no interior da loja. O terceiro foi ferido e internado em estado grave no Hospital Cajuru. Até o fim da tarde, os indivíduos, com idades entre 20 e 25 anos, não haviam sido identificados. Com eles, a polícia apreendeu três revólveres.

Os assaltantes não se importaram com o horário e a grande movimentação de pessoas nas imediações. Um rapaz, que não quis se identificar, contou que o trio estava num Prisma prata, acompanhado de outras pessoas. “Além deles, havia duas mulheres e outro homem. Eles pararam o carro na marginal da rodovia, a cerca de 100 metros da loja. Os três caminharam até o estabelecimento, sem chamar atenção, como se fossem clientes”, relatou a testemunha. Logo que entraram, deram voz de assalto e fizeram reféns o proprietário e quatro clientes.

Rapidez

Não há informações de quem chamou a polícia, mas, em cerca de cinco minutos, surgiu uma viatura do Comando e Operações Especiais (COE), da Companhia de Choque da Polícia Militar. “A equipe estava em patrulhamento nas redondezas quando foi informada do roubo e rapidamente se dirigiu até o local”, contou o major Rui Rota da Purificação, comandante da Companhia de Choque.

Assim que desceram da viatura e entraram na loja, os policiais foram recebidos a tiros pelos marginais. “Eles estavam separados, dois de um lado e o terceiro do outro. Enquanto atirava, um deles ainda tentou fazer um refém de escudo, mas não teve tempo”, relatou o major. Dois bandidos tombaram mortos dentro da loja. O outro foi internado em estado grave. “Eles já tinham separado certa quantidade de dinheiro e alguns aparelhos celulares. Com eles apreendemos três revólveres calibre 38”, afirmou Rota. Nenhum refém foi ferido, mas a tensão dentro da loja fez com que uma mulher passasse mal. Ela teve que ser atendida por socorristas do Samu.

Frágil tranquilidade

A movimentação da polícia gerou um clima de pânico na vizinhança, desacostumada com esse tipo de ação. Para se ter uma ideia da tranquilidade no Jardim das Américas, estas foram as primeiras mortes no bairro desde agosto do ano passado, quando o Paraná Online criou o Mapa da Violência e passou a registrar todos os assassinatos em Curitiba e região metropolitana.

Vizinha da loja, a estudante Amabilin Silva, 21 anos, declarou ter vivido momentos de terror. “Estava no telefone com meu namorado, quando ouvi um estampido. Depois escutei mais disparos e me tranquei dentro de casa. Foram pelo menos 15 tiros”, disse.