Amparada por uma conhecida, Franciele de Fátima Farabello, 29 anos, chegou ao pronto-socorro do Cachoeira, Almirante Tamandaré, baleada na perna, às 20h de ontem. Tão logo foi atendida pelos funcionários, ela contou que seu companheiro, Daniel Ricardo, 36, estava em casa baleado, possivelmente morto. Policiais do 22.º Batalhão foram avisados e seguiram até a Rua Mandirituba, no Jardim Roma. O portão da moradia não passa de uma estreita abertura em um grande muro de concreto. Por ali os PMs tiveram acesso à casa de madeira e, no quarto, encontraram Daniel sem vida.

Medo

Franciele disse apenas que ouviu sete tiros, um deles acertou sua perna, mesmo assim afirmou não se lembrar de ter visto o atirador. Mesmo com o barulho da confusão, nenhum vizinho chamou a polícia, que só foi informada do crime pelos enfermeiros do pronto-socorro.

A rua estava tomada de curiosos, que enfrentaram a chuva, a lama e a subida íngreme da rua, que dificultou bastante a chegada das viaturas da PM e do Instituto de Criminalística. Apesar da presença de muitas testemunhas, ninguém quis informar características do assassino. “Pelo menos cinco tiros acertaram a vítima. Tentamos conversar com a vizinhança, mas pouco foi relatado. A própria vítima que sobreviveu não quis falar muito”, comentou o cabo Bosloper do 22.º BPM. Familiares de Daniel estiveram no local e disseram que ele estava recebendo ameaças de morte.

Drogas

Ele e a companheira faziam uso de drogas e estariam enfrentando problemas com traficantes. “O fim para quem se envolve neste tipo de vida é cadeia ou morte”, resumiu um irmão da vítima.

Parte da família de Daniel, que mora em Cerro Azul, foi informada sobre o homicídio e começou os preparativos para vir à Curitiba. Policiais civis da cidade foram ao pronto-socorro e devem colher o depoimento de Franciele assim que ela receba alta.

Confira no vídeo os detalhes do crime.