O conteúdo dos vinte e sete computadores apreendidos no dia 7 de maio, no escritório da Vera Cruz Empreendimentos e da TV Injustiça, situado na Rua Ébano Pereira, centro da cidade, estão sendo analisados pela Promotoria de Investigação Criminal (PIC). Os promotores acreditam que há informações nos computadores que podem comprometer ainda mais o proprietário das empresas, Neviton Pretty Caetano, que está preso no xadrez do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). Apesar dos trabalhos já estarem adiantados, a PIC prefere não divulgar informações sobre a “varredura” nos computadores, para não atrapalhar as investigações.

Os promotores esperam descobrir dados importantes, devido ao número de clientes da Vera Cruz Empreendimentos, que confirmarão as falcatruas de Neviton e seus assessores. A empresa angariava clientes através do site TV Injustiça distribuindo panfletos dele pela cidade. As pessoas que procuravam “ajuda”, eram encaminhadas para a assessoria jurídica, que contava com vários advogados recém-formados, contratados por Neviton e chefiados pela advogada Andrezza Maria Beltoni, 28 anos.

Nem a Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas, responsável pelas investigações, nem o Ministério Público, tem o número exato de vítimas dos golpes aplicados, já que todos os dias novas pessoas procuram a PIC, a delegacia e a Ordem dos Advogados do Brasil, secção Paraná (OAB-PR), para registrar novas queixas e contar como eram prejudicadas pelo vigarista e sua turma.

Vítimas

De acordo com informações da OAB, entre 15 e 20 pessoas procuraram a Ordem dos Advogados para relatar que foram vítimas da Vera Cruz Empreendimentos, que só teve suas portas fechadas na última segunda-feira.

Relatado outro inquérito

O delegado Roberto Heusi, titular da Delegacia de Estelionato e Desvio de Cargas, irá relatar o inquérito policial em que Neviton Pretty Caetano é acusado de extorquir o proprietário de uma mineradora em Campo Largo. “Sexta-feira vamos remeter o inquérito para a Justiça”, afirmou Heusi.

Ele explicou que neste inquérito também solicitou a prisão preventiva do acusado e da advogada Andrezza Maria Beltoni, 28, que está presa naquela delegacia. Neviton está preso preventivamente sob acusação de extorquir o diretor da empresa Spaipa. Por este crime ele foi denunciado na terça-feira passada, pelo Ministério Público, e tinha sido preso anteriormente, em flagrante, por porte ilegal de arma.

O dono da TV Injustiça e da Vera Cruz Empreendimentos ainda responde uma ação penal na 8.º Vara Criminal de Curitiba, sob a acusação de lesar consumidores de energia elétrica.