A delegacia de Colombo continua investigando as acusações de pedofilia que pesam sobre um arquiteto, preso desde a semana passada. Foi decretada a prisão preventiva dele, o que garantirá sua estada na cadeia por pelo menos mais 30 dias.

De acordo com o superintende Fernando Lima, ontem, o computador do arquiteto foi encaminhado ao Instituto de Criminalística. Os peritos vão averiguar se a máquina tem algum indício que aponte a prática de pedofilia. Enquanto isso, o acusado continua preso junto com outros oito estupradores.

Crime

O arquiteto, cujo nome não foi divulgado, foi preso na última quarta-feira, depois que dois irmãos, de 13 e 17 anos, afirmaram que foram violentados sexualmente, durante anos, por ele. Os garotos foram detidos ao serem reconhecidos por pelo menos seis mulheres como os estupradores que as atacaram em Colombo e Almirante Tamandaré.

A dupla alegou que cometeu os crimes porque precisava afirmar sua masculinidade. Os irmãos aguardam a decisão judicial para o encaminhamento à Unidade Socioeducativa SAS ou Educandário São Francisco.