A lateral direita do carro, avariada, há
uma noção da violência do atropelamento.

Um atropelamento no quilômetro 587 da BR-376, na noite de sexta-feira, deixou espalhados por 200 metros da rodovia pedaços do corpo da vítima, incluindo um dos pés. O impacto com o Bora placa JPE-9413, de Salvador, deixou o corpo desfigurado, o que impossibilitou a identificação da vítima no local. Após o acidente, o condutor do veículo, Daniel Niada Medeiros, 26 anos, encanador da Petrobras, entrou em estado de choque.

De acordo com o policial rodoviário Ludenilson, o atropelamento aconteceu por volta das 20h40, quando a vítima tentou atravessar a rodovia. Abalado, o condutor não conseguiu explicar como aconteceu o acidente, mas pela gravidade os policiais acreditam que Daniel estava em alta velocidade.

Perícia

De acordo com o perito criminal Altamir Coutinho, o pé da vítima foi decepado, caindo a 73 metros do local do impacto. Cerca de 30 metros à frente do membro, o corpo foi arremessado ao canteiro central. A outra perna também foi decepada e só na manhã de ontem o Instituto Médico-Legal (IML) a recolheu. O carro teve a frente destruída e ficou forrado com pedaços de corpo humano.

O IML confirmou ontem que se tratava de um homem. A Polícia Rodoviária Estadual encontrou junto aos pertences da vítima um papel com o nome de José Laerte Zeni, 48 anos, morador da Cidade Industrial – possível identidade do atropelado.