Segundo a investigação da delegacia de Piraquara, Manoel passava em frente a uma casa onde havia uma ruidosa festa, quando provavelmente se desentendeu com alguém e acabou sendo baleado e morto. A Polícia Militar já havia sido chamada naquela noite, na tentativa de conter a bagunça, pois os convidados chegaram a jogar objetos no telhado de um posto de saúde próximo, além do barulho que faziam.

Após o fato, todos os convidados da festa desapareceram. A casa estava fechada quando a PM chegou ao local, pela segunda vez. Os autores não foram identificados, e a delegacia local realizou diligências durante a tarde de ontem, para descobrir quem é o proprietário da casa e quem eram os participantes da festa.

De acordo com o pai da vítima, Altair, subtenente da Polícia Militar que está na reserva, Manoel não possuía inimizades, não usava drogas e também não tinha antecedentes criminais. A versão de Altair foi confirmada por Márcia, companheira da vítima. Já um morador, que acompanhava o trabalho policial, arriscou que Manoel seria usuário de maconha, insinuando algum acerto de contas. O filho do policial estava desempregado e separado de sua esposa, com quem tinha três filhos. A investigação supõe que o motivo da morte seja realmente alguma briga em que a vítima se envolveu, e o fato provavelmente não tem relação com a antiga profissão do pai, que está há quase seis anos aposentado. Todas essas informações serão checadas nos próximos dias.

Outra festa

Duas horas antes, à 1h de ontem, no Campo do Santana, Alisson Barbosa da Costa, 19 anos, também foi agredido quando passava em frente a uma festa, na Rua Delegado Bruno de Almeida. O primo dele, Tiago, contou aos policiais que eles andavam pela rua quando, ao passar em frente a uma festa, três rapazes saíram da residência atirando contra eles. Felizmente nenhum tiro acertou os primos. De acordo com Tiago, Alisson estaria embriagado, e ao tentar correr, caiu no chão. Três rapazes da festa teriam se aproximado dele e começaram a agredi-lo. Em estado grave, o jovem foi levado ao Hospital do Trabalhador, em Curitiba, por seus amigos, e permanece internado.