Um assassino covarde não teve escrúpulos em atirar num homem impossibilitado de defesa. O paraplégico Doriley Magalhães Zanlorence, 25 anos, levou cinco tiros dentro de um bar na Rua São José dos Pinhais, Bairro Novo A, Sítio Cercado, e morreu ao dar entrada no Hospital do Trabalhador, às 23h30 de sábado (horário de verão). Os autores fugiram em dois carros e não foram identificados.

Doriley era caminhoneiro e perdeu os movimentos das pernas há cerca de um ano, ao capotar o automóvel de um amigo. Na mesma época mudou-se do Sítio Cercado para as Mercês, mas não deixou de visitar os antigos colegas.

Tiros

A vítima, que se locomovia em cadeira de rodas, estava com um primo, Ataíde, e amigos no bar. A irmã dele, Doriléia, 26 anos, disse à polícia que um homem alto e magro, vestido de preto, parou em frente ao estabelecimento e, sem dizer nada, atirou em Doriley. Atingido no peito, barriga e braço, ele foi socorrido pelo Siate, mas não resistiu aos ferimentos. O primo foi baleado de raspão no braço.

Segundo a Polícia Militar, o assassino estava acompanhado de outro homem e ambos fugiram em dois veículos Kadett, um verde e um prateado. A irmã disse que ninguém no bar conhece quem atirou. “Meu irmão nunca foi preso, não usava droga nem comentou sobre alguma ameaça. Queremos saber quem o matou e o porquê do crime”, disse a mulher, revoltada. A Delegacia de Homicídios registrou o caso e passa a investigá-lo.