O Paraná registrou redução nos crimes de furtos e, principalmente, de roubos de veículos no ano de 2013. As 7.643 ocorrências de roubos de veículo registradas no ano passado correspondem a uma queda de 13,7% nesse tipo de crime, na comparação com 2012. Os dados são oficiais da Secretaria da Segurança Pública.

Grandes centros urbanos no Estado registraram as reduções mais expressivas: na região de Londrina, norte do Paraná, foram 521 ocorrências a menos (-39,4%). Já na 12ª Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), cuja sede é Foz do Iguaçu, a comparação mostra menos 177 roubos de veículos (-39,3%), e, na 11ª Aisp, que tem a cidade de Cascavel como sede, a diminuição alcançada foi de 34,53%.

“A redução se deve ao esforço dos policiais nas investigações, em cima de assaltantes e ladrões de carros, além de diversos desmanches ilegais que foram fechados. O endurecimento da polícia neste setor, com mais investigações e prisões, fez com que marginais que atuavam no Paraná migrassem para outros estados”, afirma o delegado-geral da Polícia Civil do Paraná, Riad Braga Farhat.

De acordo com ele, os resultados alcançados em 2013 são bons e o objetivo é melhorar durante este ano. “A meta é reduzir ainda mais esses índices e garantir segurança à população”.

Em Curitiba, que concentra aproximadamente 22% da frota de veículos de todo o Estado, houve redução de quase 9% (uma diferença de 327 roubos de veículos, na comparação entre 2013 e 2012). A queda também ocorreu em toda a Região Metropolitana de Curitiba (RMC), com 268 roubos de carros a menos, o equivalente a –15%.

“Começamos a intensificar fiscalizações em lojas de autopeças, desmanches e casas de leilão. Aumentamos o número de investigações, que foi um incremento devido ao reforço no Setor de Inteligência na delegacia, o que acarretou mais prisões”, avalia o delegado-titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Curitiba, Cassiano Aufiero.

De acordo com o delegado, outro fator que contribuiu para evitar os roubos de veículos foi o aumento de denúncias que partiram da população, colaborando com as investigações de quadrilhas especializadas.

Aufiero ressalta que, com o incremento de carros na frota paranaense, o natural seria que o índice de roubos também aumentasse, o que não está acontecendo. “É um reflexo do nosso trabalho intenso, todos os dias”.