Junto ao corpo, os pães
recém-comprados por Ezequiel.

Pai, mãe e filho, voltando da padaria com uma sacola de pão nas mãos. Cena singela na qual o ocupante de um Monza resolveu se intrometer, às 7h50 de ontem. Com um revólver nas mãos, o desconhecido perseguiu e acertou três tiros em Ezequiel Cordeiro do Nascimento, 17 anos, que, sob o olhar desesperado dos pais, caiu morto ao lado da linha férrea, próxima à Rua 10 do Jardim das Oliveiras, em Almirante Tamandaré.

Ezequiel, apelidado de “Quié”, era bastante conhecido dos moradores do bairro e pela polícia de Almirante Tamandaré. “Já esteve detido algumas vezes, por assaltos e furtos”, relatou o policial militar Haus, que atendeu a ocorrência com o colega Falc, ambos do 17.º Batalhão. Segundo Haus, na véspera de ser morto a vítima teria roubado um açougue do bairro. “Ele já entrou na minha casa, mas nem por isso desejava sua morte”, disse à reportagem da Tribuna uma mulher que não quis se identificar. Mas uma irmã da vítima, Adriana, garante que “Quié” não “aprontava” mais. “Ele estava trabalhando e hoje (ontem) mesmo receberia o pagamento por uma roçada”, disse a mulher.

Monza

De acordo com o relato das testemunhas à PM, um Monza preto estacionou na Rua Antônio Johnson, a duas quadras do local do crime, e de dentro saiu um homem, que aguardou a passagem de Ezequiel e dos pais. O adolescente levou o primeiro tiro na esquina da Rua Antônio Johnson com Rua 10, e correu 50 metros tentando fugir. O assassino partiu atrás dele e atirou outras seis vezes – três dos disparos se perderam e os outros atingiram a vítima no peito, costas e nádegas. O Siate foi chamado, mas nada pôde fazer exceto constatar a morte.

Depois dos tiros, o autor voltou ao Monza e desapareceu. “Possivelmente havia outra pessoa ao volante do carro”, disse o soldado Farc, acrescentando que ninguém informou a placa do veículo.

Para a PM, os motivos do crime podem ser divergência na divisão de produtos roubados ou vingança de alguma vítima de Ezequiel. “Na terça-feira ele arrumou encrenca no colégio da Vila Grécia (localidade vizinha). Tentaram matá-lo”, disse Haus, sugerindo outra hipótese para o assassinato. Todas serão avaliadas pela Delegacia de Almirante Tamandaré, responsável pela investigação.