Valquir Aureliano
Tenente-coronel Novakoski.

A nova tática da Polícia Militar para inibir a criminalidade, realizando operações rápidas e constantes em vários pontos da cidade, resultou num aumento de 8,7% nas apreensões de armas que circulam em Curitiba. Esta é uma das constatações feitas pela Comando do Policiamento da Capital (CPC), através do balanço da Operação Complementação Preventiva. A ação começou no dia 26 de agosto e os resultados foram computados até o dia 12 de setembro.

De acordo com o tenente-coronel Novakoski, 160 homens engrossaram o efetivo durante o dia para realizar as operações que acontecem em cerca de 20 pontos da cidade, diariamente. Além destes homens, outros 140 estão realizando o policiamento a pé no centro e no Batel, bairros que concentram o maior número de ocorrências policiais. "Nestes locais há grande concentração de pessoas e comércios, por isso é alto o número de furto e roubo de carros, além de assaltos", disse Novakoski.

Desde o início da operação, a Polícia Militar constatou que além do aumento na apreensão de armas, houve uma redução de mais de 11% no número de flagrantes e de 4% no de furtos e roubo de carros. "Acreditamos que isso tenha acontecido porque os marginais têm percebido que a polícia está nas ruas, e isso os tem intimidado", comenta o oficial.

Nos 18 dias de operação, a Polícia Militar realizou bloqueios em 201 pontos de Curitiba, abordando mais de 5.400 pessoas, ação que resultou na prisão de 42 criminosos. Dos 83 veículos que foram apreendidos, 27 estavam com registro de furto ou roubo. Além disso, também foram encontradas 147 armas e mais de 500 pedras de crack.