Zenaide Lins da Silva, 38 anos, estava muito feliz, ontem, porque conseguiu documentos que em breve tirariam seu marido da prisão. Mas sua felicidade durou pouco.

Ela foi morta a tiros na Avenida Pero Vaz de Caminha, esquina com a Rua Adriana Ceres Zago Pereira, Jardim Santa Rita, no Tatuquara, por volta das 19h50. A polícia supõe que Zenaide foi vítima de vingança, mas não direcionada a ela, e sim a seu marido presidiário.

A Polícia Militar apurou que a mulher saía do culto, quando foi executada. Ela andava na rua, acompanhada da filha adolescente e de uma amiga, quando foi abordada por três homens. Sem dizer nada, um deles atirou na mulher, que morreu na hora com dois tiros no peito e um na cabeça.

As testemunhas ficaram muito nervosas e apenas conseguiram descrever que um dos marginais usava capuz e blusa escura. O trio teria fugido num Kadett escuro, que ninguém conseguiu ver placa.

Investigação

O delegado Dirceu Schactae, da Delegacia de Homicídios, deve iniciar as investigações com a hipótese de vingança. Ele apurou que o marido de Zenaide está preso no complexo penitenciário de Piraquara, há cerca de um ano, por tráfico de drogas.

Por Zenaide ser uma mulher religiosa, aparentemente sem problemas com ninguém, acredita-se que a morte seria forma de intimidar o marido, que Zenaide conseguiria tirar da cadeia em poucos dias.