Ao contrário do que supunha a Polícia Civil, Airton Diniz Maia, 40 anos, morto por espancamento quarta-feira à noite, em Piraquara, não tinha envolvimento com tráfico de drogas. A afirmação é da família da vítima, que aponta uma briga comum como motivo do crime.

Segundo Edna Maia Fuzie, 37 anos, o irmão Airton jamais usou droga, mas era alcoólatra. "Ele bebia por desgosto da vida, desde que se separou da mulher", disse Edna. A irmã sustenta que a vítima voltava para casa, embriagada, e envolveu-se numa briga com dois homens.

Horas depois do crime, a Polícia Militar deteve Paulo César Ferreira, 26 anos, e Fernando José Bertollo, 23, acusados de matar Airton. Eles estão presos na delegacia da cidade.