Foto: Alberto Melnechuky/Tribuna
Alexandra morreu com
um tiro na cabeça.

O metalúrgico Leandro Machado Mota, 29 anos, apresentou-se na tarde de ontem na Delegacia de Homicídios, e confessou ser autor dos disparos que mataram a estudante Alexandra Bernardi, 24 anos, e feriram Samuel Ferreira da Silva, 25, e Silvia Renata dos Santos, 19. O rapaz foi ouvido e liberado. O delegado Maurílio Alves avisou que não pretende pedir a prisão preventiva de Leandro.

O crime aconteceu às 4h de domingo, em frente ao Bar Bangaloo, na esquina da Avenida Marechal Deodoro com a Rua General Carneiro, onde várias pessoas comemoravam um aniversário. Três convidados se desentenderam com o restante do grupo. Para evitar brigas, o trio foi retirado do bar pelos seguranças e esperou do lado de fora. Em seguida, os três entraram em um Corsa. Um dos ocupantes atirou contra um grupo de pessoas que estava em frente do bar. Alexandra, que não tinha nada a ver com a confusão, foi atingida com um tiro na cabeça e morreu na hora.

Leandro alegou que se desentendeu com amigos de Alexandra. Por isso, apontou a arma para o grupo, fechou os olhos e atirou a esmo seis vezes. O metalúrgico contou ao delegado que comprou o revólver calibre 38, usado no crime, para se defender, porque já havia sido vítima de furto em sua residência. "O revólver está com a numeração lixada e foi apreendido", comentou Maurílio. Apesar de ser proibido portar arma sem a permissão da Polícia Federal, e ainda com o agravante da arma estar com numeração lixada (o que sugere ter origem ilegal), o assassino não foi autuado por porte ilegal do revólver.