O vaso sanitário – “boi”, na gíria carcerária – foi novamente rota de fuga para presos do 11.º Distrito Policial, na Cidade Industrial. Vinte homens escaparam do presídio através de um túnel, por volta das 2h de ontem, mas cinco deles foram recapturados em seguida pela Polícia Militar. É a terceira fuga pelo mesmo modo na mesma delegacia, em pouco mais de quatro meses.

O solo argiloso foi escavado debaixo de uma das três celas em funcionamento, que tem capacidade para oito presos mas abrigava 24. Apenas quatro detentos preferiram ficar. Os demais tiveram acesso subterrâneo ao pátio da delegacia e foram flagrados pulando o muro, por funcionários da Estação Aduaneira da Receita Federal.

Segundo o delegado titular do 11.º DP, Sérgio Taborda, oito câmeras de vídeo monitoram a carceragem, mas nenhuma delas alcança o ponto em que os presos saíram. A Polícia Militar e Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) foram acionados e prenderam cinco dos fugitivos nas imediações do distrito.

“Queijo suiço”

O presídio da CIC tem nove celas, mas seis delas estão em reparos por causa de depredações anteriores. “O solo parece um queijo suíço, por escavações feitas em fugas anteriores”, disse o delegado.

Em 6 de maio, cinco presos já haviam escapado pela tubulação de esgoto no distrito. Antes, envenenaram e mataram os dois cães que auxiliavam a guarda do xadrez. No dia 3 de junho, novamente o “boi” propiciou um fuga, desta vez de 22 detentos.

A interdição das celas ampliou o problema da superlotação. Até quarta-feira havia 61 homens espremidos num espaço em que só cabem 24.