A vendedora de cosméticos Elizabete Aparecida da Silva Jacintho, 42 anos, e a filha dela, Gisele Mari Jacintho, 16 anos, foram identificadas na manhã de ontem no Instituto Médico-Legal. Mãe e filha foram executadas a tiros na madrugada de segunda-feira, no bairro Capoeira Grande, em Pinhais. Segundo a polícia, o principal suspeito do duplo assassinato é um homem identificado apenas como Rogério, que mantinha um relacionamento amoroso com Elizabete há pouco tempo.

O irmão de Elizabete, Vanderlei Carlos da Silva, relatou que mãe e filha moravam na Vila Ipanema, em Piraquara. Ele não soube explicar como o casal se conheceu, mas disse que o homem tem uma camioneta e costumava passear com Elizabete, sendo visto por familiares, vizinhos e amigos das vítimas.

Na noite de domingo, o suspeito apanhou mãe e filha em casa e foram até o Bailão do Catarina II, em Pinhais. O casal e Gisele foram vistos por amigos da família, por volta da 1h30 da madrugada. Aparentava estar tudo bem, mas Elizabete e Gisele não retornaram mais para casa. “O namorado da minha irmã vendia papel higiênico. Ela era trabalhadora e vendia cosméticos. A minha sobrinha estava na 7.ª série”, lembrou Vanderlei. “Acredito que o suspeito seja este namorado da Elizabete, porque ele também sumiu. Nem ao menos telefonou para saber notícias”, disse Vanderlei.

Investigações

O delegado Gerson Machado, titular da Delegacia de Pinhais, acredita que a hipótese mais provável é de que o namorado de Elizabete seja o autor da dupla execução. “Por volta das 2h da madrugada, apuramos que um homem estava efetuando disparos de arma de fogo nas proximidades do bailão. Ele estaria acompanhado de duas mulheres e depois deixaram o local”, salientou Machado.

Ele acredita que após dar tiros a esmo, o homem se dirigiu para Piraquara, com o objetivo de levar a namorada e a filha dela para casa. “No caminho ele deve ter discutido com a Elizabete e resolveu matá-la. Depois executou a filha dela para eliminar a testemunha. No meu entendimento, pelo que apuramos até o momento, a adolescente só morreu porque presenciou o assassinato da mãe”, afirmou o delegado.

Machado informou que a equipe de investigação está nas ruas tentando identificar o namorado da vendedora. Ele solicitou às pessoas que tiverem qualquer informação para solucionar o caso, que entre em contato com a delegacia através do telefone 667-1598.