t81220105.jpg

Cristiano da Silva, Jorge Luiz
de Souza e Marcelo, foragido.

Integrantes de uma quadrilha que aterrorizava proprietários de residências e, principalmente donos de chácaras localizadas em Curitiba, Região Metropolitana e em Santa Catarina, foram presos por policiais da delegacia de São José dos Pinhais. Cristiano Barbosa da Silva, 21 anos, Jorge Luiz de Souza, 22, e mais dois adolescentes foram detidos em diligências ordenadas pelo delegado Osmar Dechiche durante esta semana.

Outros quatro integrantes do grupo estão sendo procurados. Um deles já foi identificado – Marcelo da Silva Poli, 22 – e está foragido.

De acordo com o superintendente Altair Ferreira, a quadrilha realizou alguns assaltos milionários nos últimos meses. Em Santa Catarina, além de roubar diversas casas, chegou a levar uma carreta de cigarros da empresa Souza Cruz. Em Barra Velha (SC), os marginais mostraram audácia e foram inescrupulosos. O prefeito daquela cidade teve sua residência invadida e familiares dele foram mantidos como reféns durante quatro horas. Para conseguir arrecadar o que desejavam, os ladrões chegaram a ameaçar queimar o filho do prefeito. O corpo da vítima foi encharcado com álcool e os ladrões permaneceram com um isqueiro em mãos, ameaçando atear fogo. Além da moradia do prefeito, na qual foram arrecadados grande quantidade de jóias e dólares, o cofre da empresa dele também foi saqueado.

No Paraná, a quadrilha não deixou por menos. Foram assaltadas casas em Curitiba e diversas chácaras na Região Metropolitana. O caso que mais chamou a atenção foi o de uma chácara em São José dos Pinhais, que possuía um moderno sistema de monitoramento, inclusive com uso de infravermelho, e vigia. Todo o aparato de segurança não impediu a ação dos ladrões. Do local foi levada grande quantidade de objetos, conforme a polícia.

Perigosos

Cristiano e Marcelo já estiveram presos na delegacia de São José dos Pinhais. A dupla escapou em junho do ano passado, numa fuga onde ocorreu tiroteio com os policiais de plantão. De acordo com o superintendente, Cristiano foi reconhecido em, pelo menos, seis situações de assalto nos últimos meses. Jorge, devido a sua periculosidade, foi transferido para a penitenciária em Piraquara. Ele é apontado como integrante do Primeiro Comando de Joinville (SC) – facção criminosa daquela região – e foi reconhecido como um dos marginais que participaram da barbárie na casa do prefeito de Barra Velha. Segundo Altair, houve a necessidade de transferência do preso porque o sistema de inteligência da polícia catarinense descobriu que havia um plano de arrebatamento de Jorge.

Como prova contra os detidos, os investigadores apreenderam em poder deles vários objetos e jóias, produtos provenientes de roubo.