Leandro admitiu o assalto.

Perseguido por um comerciante após assaltar uma panificadora, na Rua Cianorte, Vila Perneta, em Pinhais, Leandro Bonfim de Almeida, 22 anos, foi preso em flagrante policiais militares e conduzido à delegacia local. Na tentativa de escapar da vítima, o jovem atirou duas vezes contra ela, mas não acertou nenhum dos disparos.

O jovem invadiu a panificadora armado com um revólver, calibre 38, às 17h15 de segunda-feira. Mediante ameaças, o rapaz ordenou que fosse entregue o dinheiro do caixa e se apossou de R$ 64,46. O rapaz fugiu correndo. Inconformado com o prejuízo, o comerciante resolveu seguir o bandido. Ele embarcou em seu veículo e, de longe, passou a acompanhar os passos do assaltante. Ao perceber que estava sendo seguido, o delinqüente atirou contra o comerciante.

Ajuda

Os disparos chamaram a atenção de populares. Um deles, solicitou ajuda a uma viatura do Regimento da Polícia Montada (RPMont), ocupada pelo capitão Bruno Soares da Silva e o soldado Ademir Domingos, que efetuaram a prisão. “Coincidentemente, os policiais militares passavam pelo local. Eles estavam tratando de serviços administrativos”, explicou o delegado Gerson Machado, titular da DP de Pinhais.

Machado contou que, ao avistar a viatura, Leandro jogou o dinheiro do roubo e o revólver com numeração lixada em um terreno. “Os policiais perceberam que ele havia jogado o material por cima do muro e efetuaram a prisão. Este rapaz também foi reconhecido pela vítima, como sendo o autor do roubo”, relatou o delegado.

Perigo

Ele recomendou às vítimas que não reajam a assaltos nem persigam assaltantes. “O comerciante teve sorte, mas é perigoso”, orientou. O delegado disse que as investigações continuam no sentido de apurar outros crimes cometidos por Leandro. Ele solicitou a quem o reconhecer, que entre em contato com a delegacia pelo telefone 667-1598.

Leandro confessou o crime, mas garantiu que não praticou outros. Ele justificou o roubo, dizendo que trabalhava como lavador de carros e estava desempregado. “Só atirei para me defender. Para mim, a vítima estava armada”, alegou.