Mais de 4 mil pedras de crack foram apreendidas com Cleverson dos Santos, 19 anos, preso, na madrugada de ontem, quando vendia a droga perto da Catedral, no centro. O rapaz disser ter trocado um quilo e meio de crack por um Peugeot. A quantidade rendeu 4.009 pedras. Boa parte estava debaixo do armário de uma casa alugada pelo rapaz, na Vila Barigui, Cidade Industrial. Além da droga, foram apreendidos R$ 700, boa parte em notas de baixo valor, balança de precisão e vários celulares e relógios, possivelmente trocados pelo crack.

De acordo com o tenente Rocha, do 12.º Batalhão da Polícia Militar, o rapaz disse que ganhou o carro da mãe, depois, alegou que o veículo foi uma herança do tio. Ele teria trocado o veículo por droga, porque não sabia dirigir. “Ele não soube dizer qual era o modelo do carro, nem quem era o fornecedor da droga. Disse apenas que o carro valia R$ 20 mil”, contou o tenente. Cleverson informou à polícia que costumava vender cada pedra por R$ 10, mas aceitava pechincha. “Se alguém oferecesse R$ 7, ele aceitava”, contou Rocha.

Floreira

O rapaz foi abordado na Rua José Bonifácio, por volta de 1h30. Os policiais encontraram 30 pedras no bolso da jaqueta do rapaz, além de certa quantia em dinheiro trocado. Na sequência, o rapaz mostrou à polícia a floreira onde estava escondido um pacote com mais 134 pedras, perto da Catedral. “O rapaz também costumava vender droga na Praça Garibaldi, no Largo da Ordem”, disse Rocha.

O restante da droga foi apreendido na casa alugada pelo rapaz há dez dias, na Rua Sebastiana Rodrigues, CIC. Debaixo do guarda-roupa, os policiais encontraram 38 invólucros, cada um contendo aproximadamente 100 pedras. O tenente Rocha se surpreendeu com a quantidade de papel para embalar crack, que tomava conta de quase um cômodo. Cleverson, que não tem passagem pela polícia, foi encaminhado para o 1.º Distrito Policial.