Uma intrincada trama pode estar por trás do assassinato do jovem Reginaldo de Oliveira, 27 anos, ocorrido na madrugada de sábado. A vítima morava no bairro Água Verde, em Curitiba, e foi encontrada morta na margem da Estrada do Botiatuva.

Informações levantadas pela polícia dão conta que Reginaldo era um homem trabalhador e não tinha qualquer envolvimento com a criminalidade. Às 7h de sábado, um morador de Botiatuva avistou o corpo de Reginaldo e acionou a polícia.

Os policiais encontraram dois projéteis de pistola calibre 380 perto do corpo, os quais, segundo o perito Eumir Machado de Oliveira, foram disparados contra a cabeça do rapaz.

O que também chamou a atenção dos policiais foi a aparência da vítima. Ele estava bem vestido e tinha um bom celular em seu bolso. Junto ao corpo a polícia não encontrou documentos que pudessem identificá-lo, os quais provavelmente foram levados pelo assassino.

O superintendente Clóvis, da delegacia de Araucária, entrou em contato com alguns conhecidos da vítima através dos números registrados no aparelho de telefone. Assim soube o nome e a idade do rapaz e também que ele morava no bairro Água Verde com um amigo e os dois trabalhavam em um badalado bar do bairro.

Por morar perto do emprego, Reginaldo fazia o trajeto a pé. Na noite de sábado ele teria saído de casa para o trabalho quando teria sido abordado pelo assassino. A família dele é de Foz do Iguaçu. “Em princípio o rapaz é uma pessoa de bem, trabalhadora, que não tem envolvimento com drogas ou crimes”, finalizou o superintendente.