Depois de esfaquear a própria mãe na barriga e no braço, André Bodot, 43 anos, telefonou para seu irmão duas vezes para pedir que ele socorresse a vítima. Ele não sabia que Eroni Oliveira Bodot, 69 anos, já estava sem vida. O corpo, estendido na lavanderia do sobrado, na Rua Coronel Hugo de Matos Moura, Alto Boqueirão, foi encontrado pela irmã da vítima às 20h30 de ontem.

Ninguém sabe o que aconteceu no início da noite. Eroni foi morar com a irmã há aproximadamente um mês e levou o filho André, que sofre de problemas mentais.

Aparentemente mãe e filho se relacionavam bem, mas ontem eles entraram em luta corporal na pequena cozinha. Depois foram para a lavanderia, onde Eroni caiu. Ao lado do corpo foi encontrada uma faca torta e suja de sangue.

Luzes

O tenente Carlos Alberto, do 20.º Batalhão, contou que a irmã de Eroni foi trabalhar. Ao retornar às 20h30 encontrou o sobrado trancado e com as luzes apagadas.

Ela estranhou, já que a irmã não costumava sair naquele horário. Ao acender as luzes da cozinha, viu manchas de sangue e em seguida achou o corpo na lavanderia. Imediatamente ela acionou a Polícia Militar.

Quinze minutos depois, Adriano – filho de Eroni -, recebeu um telefonema do irmão André. Ao atender, André pediu que ele chamasse o Siate para socorrer a mãe. Como o homem tem problemas mentais, Adriano a princípio não teria dado importância.

Quinze minutos depois, André telefonou novamente e perguntou: “Chamou?”. Adriano respondeu que estava trabalhando e desligou. Mesmo assim, ele foi ver a mãe e descobriu que ela estava sem vida.

O tenente Carlos Alberto suspeita que André esteja perambulando pela rua, já que não procurou parentes. Ele disse que as viaturas patrulharam a região na tentativa de localizar o rapaz.