O Grupo Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gerco), criado pelas polícias Civil e Militar para atuar junto à Promotoria de Investigação Criminal (PIC), foi apresentado ontem à procuradora-geral de Justiça, Maria Tereza Uile Gomes, e ao promotor de justiça Ramatis Fávero, pelo comandante da Polícia Militar do Paraná, coronel Gilberto Foltran. A apresentação foi feita de forma reservada, na Academia Policial Militar do Guatupê, onde os policiais participaram do Ciclo de Atualização Profissional de Inteligência Pessoal, justamente para receber ensinamentos e treinamento técnico investigativo para trabalhar com os promotores criminais.

Por questões estratégicas nem mesmo o número exato de policiais que vão atuar na PIC foi divulgado, mas Ramatis Fávero (coordenador da promotoria) afirmou que o efetivo será suficiente para atender os casos que estão sendo investigados. Entre os PMs destacados para o novo trabalho está o capitão Antônio Carlos do Carmo. Os demais nomes não foram citados.

De acordo com o coronel Foltran “esse trabalho conjunto representa uma maior integração entre as formas que compõem o sistema de segurança pública no Estado”. Já Maria Tereza Gomes chamou o grupo de “força-tarefa permanente” e disse que “ela é a união de esforços na luta pela Justiça”. A procuradora de Justiça afirmou também que espera que o Gerco sirva de referência nacional.