Cinco policiais militares do 12.º Batalhão foram denunciados ontem pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público. Eles são acusados de torturar dois irmãos, em novembro de 2009, na tentativa de recuperar um colete balístico e uma pistola, roubados enquanto um dos policiais fazia serviço de segurança pessoal. Os suspeitos estão soltos, mas o MP requereu que não atuem onde as vítimas residem. Os nomes deles não foram divulgados.

De acordo com a denúncia, o policial e seu cliente foram roubados. Além do colete e da arma da corporação, os bandidos levaram as motocicletas das vítimas, que foram recuperadas.

O grupo de policiais então passou a procurar os ladrões. Acompanhados de duas pessoas, não identificadas, eles teriam sequestrado um homem que teria informações sobre os autores do roubo e o paradeiro dos objetos.

Agressões

Segundo a denúncia, o homem foi levado até um matagal, onde foi agredido com socos, chutes e golpes de cassetete. Os graves ferimentos foram registrados em fotografias e descritos no laudo de exame de lesões corporais.

Na noite seguinte, o grupo se uniu a mais quatro pessoas, também sem identificação, e sequestrou a irmã do sequestrado. Ela foi torturada por quase duas horas, conforme o Gaeco, e recebeu ameaças de agressão, estupro e morte.