Em um espaço para 64 pessoas, eram mantidos 283 presos, na delegacia de Umuarama, noroeste do Estado. A superlotação facilitou a fuga de onze deles, na madrugada de ontem. Até a tarde de ontem, nenhum preso havia sido recapturado. Todos foram detidos por tráfico de drogas, homicídio, roubo ou furto.

O número de foragidos só não foi maior porque a equipe de plantão percebeu a movimentação, por volta das 3h, a tempo de impedir que outros presos saíssem. Eles são mantidos isolados apenas pelo portão de acesso à carceragem.

As celas ficam abertas para que os presos possam utilizar o espaço das galerias para conseguir sentar e deitar. Para fugir, eles serraram, durante a noite, as grades da entrada de ventilação, e deixaram o prédio pelo telhado.

Nos últimos dias, outras duas delegacias registraram fugas no Paraná. No sábado, cinco presos escaparam da delegacia de Marechal Cândido Rondon. Em Araucária, doze detentos, a maioria envolvida em homicídios, fugiram na madrugada de segunda-feira.

Vagas

Há expectativa de mudanças. Ontem, durante a posse da nova diretoria da Copel, o governador Beto Richa anunciou que existem vagas para 7 mil detentos no sistema prisional, o que desafogaria as carceragens das delegacias.