Seis pessoas foram presas e todas as lojas da VC Consultoria no Paraná, Santa Catarina e Rio de Janeiro, foram fechadas na manhã de ontem. Os detidos são suspeitos de fraudar empréstimos consignados, causando um prejuízo de aproximadamente R$ 10 milhões a aposentados ou pensionistas.

Todos eram liderados por Neviton Pretti Caetano, 59 anos, antigo conhecido da polícia. As denúncias sobre a empresa, há vários anos, eram feitas por clientes lesados à veículos de comunicação que tinham a VC Consultoria como anunciante.

Vários canais de imprensa investigaram paralelamente as informações, e ajudaram a polícia e o Ministério Público (MP) a descobrir as fraudes. Reclamações sobre a empresa também foram feitas em sites. A VC era acusada de estelionato, propaganda enganosa e coação na contratação de empréstimos.

Em branco

Pelo depoimento das vítimas e com as primeiras provas em mãos, policiais da Delegacia de Crimes contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon) e do Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce) descobriram que empréstimos eram efetivados durante as simulações, e que os idosos eram obrigados a assinar várias vias de contrato em branco, que posteriormente eram revertidas em novos empréstimos.

Desta maneira, o aposentado que fazia apenas um cadastro para conhecer a empresa, em algumas ocasiões, já tinha o empréstimo concedido sem autorização, e em outros casos, os clientes solicitavam apenas um empréstimo, mas recebiam vários.

Fraude

As parcelas referentes ao pagamento destes valores concedidos eram descontadas da folha de pagamento dos aposentados, que na maior parte das vezes sequer tinham conhecimento da fraude. Quando percebiam que entrou mais dinheiro na conta ou que foi descontado dinheiro do contracheque, os clientes eram desestimulados a cancelar o contrato.

“Um banco liberava o dinheiro do empréstimo para a VC Consultoria, que lucrava com os juros e com uma comissão sobre cada repasse financeiro. Quando o cliente procurava a empresa para cancelar o contrato, via tantas dificuldades que desistia”, explica o delegado do Nurce, Itiro Hashitani.

Seis prisões são realizadas em dois estados

Fernanda Deslandes

Arquivo
Cena de 2004 se repetiu este ano.

Para prender os responsáveis pelas fraudes, a Polícia Civil e o Ministério Público deflagraram ontem a Operação Consignado. Neviton, apontado como líder do grupo, a esposa Shirlei dos Santos Ramos, 36, e Arnaldo Weber Júnior, 42, o “Juca”, motorista da família, foram detidos em Balneário Camboriú, Santa Catarina.

Em Curitiba, foi presa Neide Fernandes, 43, gerente da VC Consultoria, e, em São José dos Pinhais, foram detidos Alexandre Rafael Nascimento Santana, 27, também gerente, e Letícia Justimiano dos Santos, 23, que tinha a empresa registrada em seu nome.

Todas as filiais da VC Consultoria nos três estados em que a empresa atuava foram fechadas. Só no Paraná, eram 13 unidades. Foram cumpridos 41 mandados de prisão e de busca e apreensão, expedidos pelo juiz Pedro Luis Sanson Corat, da Vara de Inquéritos Policiais de Curitiba.

Ressarcimento

Um inquérito civil foi instaurado no MP, através da Promotoria de Justiça de Defesa do Consumidor de Curitiba. As investigações já foram encerradas, e a equipe de quatro promotores pretende oferecer denúncia à Justiça contra a empresa. O Banco BMG, principal parceiro da VC Consultoria, deverá ser apontado como responsável solidário, e poderá ser obrigado a ressarcir as vítimas.

&ldq,uo;Mais de cem clientes da empresa já nos procuraram e foram cadastrados, mas acreditamos que muitas pessoas não sabiam que foram vítimas das fraudes, e devem nos procurar”, lembra o titular da Delcon, Jairo Estorílio.

Aliocha Maurício
Polícia encontrou documentos assinados em branco.

Defesa pede tempo

Fernanda Deslandes

O advogado de defesa da VC Consultoria, Heitor Amante, concedeu entrevistas a alguns veículos de comunicação na manhã de ontem, afirmando que a empresa sofria perseguição política.

Entretanto, durante a coletiva de imprensa, à tarde, no prédio do 1.º Distrito Policial, centro, ele revelou que ainda não leu o inquérito. Ainda assim, Amante ressaltou que a VC Consultoria não lida com dinheiro.

“A empresa é apenas intermediária. Só repassa dinheiro para os clientes com autorização do banco”, afirma. Ele se colocou à disposição da imprensa para informar sobre a atuação da defesa, depois que se estudar o inquérito.