t81081204.jpg

No rosto de Darci, as marcas
da violênicia empregada pelo
prórpio filho, Gilmar.

As mãos pesadas do filho impediam o aposentado Darci Festa, 70 anos, de viver uma velhice digna. Com o rosto inchado e coberto por hematomas, o idoso revelou ontem, na delegacia de Almirante Tamandaré, que era freqüentemente espancado por Gilmar Festa, 39. As surras e outras acusações renderam a detenção do acusado.

A denúncia de agressão partiu de vizinhos dos Festa, que moram juntos na Rua 13 de Maio, bairro Butiatuva, em Almirante Tamandaré. A Polícia Militar da cidade, chamada ontem de manhã, levou ambos à delegacia ao constatar as marcas no rosto da vítima.

Lúcido, Darci revelou ter apanhado de Gilmar no último domingo. "Meu filho é uma excelente pessoa, não tem boca pra nada. Mas quando bebe, fica louco", justificou o aposentado. Ele revelou que tem sido agredido por Gilmar nos últimos dois anos, mas que nunca pensou em denunciá-lo à polícia. Os outros cinco filhos do ancião também não sabiam o que acontecia na residência.

Negativas

Divorciado e pai de dois filhos o acusado, em princípio, negou a violência, alegando que as lesões foram provocadas por um acidente com lenha. Depois, admitiu ter dado um soco no pai durante discussão no domingo. "Estávamos tomando cachaça e ele me xingou e me empurrou. Bati nele, mas na mesma hora pedi desculpa", disse, negando as demais agressões.

As mesmas testemunhas que fizeram a denúncia da violência, também fizeram outras acusações pesadas. "Gilmar estaria recebendo o dinheiro da aposentadoria de Darci sem dar nada a ele. E as testemunhas o acusam de violentar sexualmente o próprio pai. Para que não contasse nada, o ameaçava encostando-lhe um espeto no peito", disse o soldado Antônio Domingos, da PM, que reconhece, porém, a ausência de provas em relação a estas últimas denúncias. Mesmo o aposentado nega ter havido atentado violento ao pudor.

"Pra que eu ia fazer isso? Os vizinhos têm que cuidar de suas vidas. Quando ele (Darci) caiu do cavalo e eu dei banho e troquei de roupa e dei comida na boca dele, ninguém falou nada", reagiu Gilmar, indignado. "Por precaução, encaminhamos a vítima ao IML para que faça o exame de ato libidinoso. Aguardaremos o laudo para depois tomarmos as medidas necessárias", afirmou o delegado da cidade, Marcelo Lemos de Oliveira. Gilmar assinou termo circunstanciado por lesão corporal e foi liberado pela Polícia Civil.