Uma vistoria de rotina feita na quinta-feira (19) pela Vigilância Sanitária em uma farmácia da Rua São José dos Pinhais, no Sitio Cercado, em Curitiba, flagrou a venda de vacinas da gripe, que só deveria ser distribuída em Postos de Saúde. Uma farmacêutica, de 47 anos, foi presa em flagrante e encaminhada ao 10.º Distrito Policial (DP).

Por ser um medicamento público, a vacina não poderia sequer estar em posse da farmacêutica, nem ser aplicada no local. Ela pagou fiança  de um salário mínimo e deve responder ao crime de falsificação culposa de produto terapêutico medicinal, previsto no artigo 273 do Código Penal, em liberdade.

De acordo com a Polícia Civil, a farmacêutica cobrava R$ 80 por cada vacina. Aos policiais, ela contou que comprou o material de um farmacêutico de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. Nesta sexta-feira (20), a farmácia funcionava normalmente.

“Doação”

Segundo a farmacêutica, ela recebeu a doação das vacinas de um amigo que trabalha num posto de saúde. Conforme a mulher eram três frascos da vacina, que, por serem do governo e estarem com ela, foi considerado como crime. Ela disse que não chegou a vender a vacina e que aplicaria em funcionários e em familiares.

Ela disse ainda que foi orientada pela Vigilância Sanitária que, caso queira trabalhar com a vacina ela pode, mas deve ser legalizada e armazenada de forma correta. Para a venda, a vacina deve ser comprada de laboratórios privados.

Suspeitas

As investigações, comandadas pelo delegado Rinaldo Ivanik, continuam. A Vigilância Sanitária também apura em paralelo e quer saber de onde é o lote das vacinas encontradas com a mulher, principalmente pra descobrir se algum funcionário de Posto de Saúde teria repassado as vacinas pra venda. Não está descartada a hipótese de que o lote tenha sido desviado ou roubado, mas a polícia ainda deve confirmar as informações.

Autuação

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informou que uma farmácia na área de abrangência do Distrito Sanitário Bairro Novo foi autuada pela Vigilância Sanitária de Curitiba, na última quinta-feira (19), após denúncia recebida de que o estabelecimento estaria comercializando doses de vacina contra a gripe destinadas ao serviço público.

Segundo a secretaria, o caso foi encaminhado para a Polícia Civil, que também passou a investigar a origem das vacinas. Não é possível afirmar que as doses tenham sido obtidas em Curitiba, já que um mesmo lote pode ser direcionado a mais de um município.

Ainda conforme a nota, a secretaria aguarda mais informações sobre a investigação para, caso seja comprovado envolvimento de algum servidor municipal, adotar as medidas administrativas cabíveis. Além do flagrante, o estabelecimento foi infracionado pela Vigilância Sanitária e o produto foi apreendido.