Nilson levou cinco tiros.

Uma fria execução, ocorrida em plena luz do dia, na região do Guarituba, Piraquara, evidenciou mais uma vez a audácia dos marginais. Eram 13h30 de sábado quando começou o tiroteio na esquina das ruas do Cedro e São Francisco, e o balconista Nilson Souza Rosa, 19 anos, caiu morto, atingido por pelo menos cinco tiros. Apesar do movimento dos moradores da região, mais uma vez imperou a conhecida "lei do silêncio".

Foi com um disparo na cabeça, outro na perna esquerda e mais três no tórax que o balconista caiu no meio da rua de terra. Quando os policiais do 17.º Batalhão de Polícia Militar chegaram, encontraram dezenas de curiosos ao lado do corpo.

Porém, muitos negaram ter ouvido os disparos ou visto o que aconteceu. Ao lado da vítima, além de duas poças de sangue, os policiais acharam uma cápsula deflagrada, que foi recolhida pela perícia para ser analisada. Os policiais militares não conseguiram obter informações sobre a autoria ou o motivo do crime, fato que deve ser investigado pela delegacia de Piraquara.