Nos dois primeiros meses do ano, 89 pessoas foram assassinadas em Curitiba: 33 em janeiro e 56 em fevereiro. Os números são altos comparados aos do ano passado, quando foram registrados 45 assassinatos em janeiro e 27 em fevereiro. “O total deste ano é 93, contando com o início de março. No ano de 2002 a Delegacia de Homicídios registrou 408 assassinatos, contra 347 do ano anterior”.

O superintendente Neimir Cristovão, da DH, informou que entre vítimas, 85 são homens, sete mulheres, e um feto. Destes, 79 foram mortos por armas de fogo, nove por arma branca (faca) e outras cinco pela utilização de outros objetos. “Algumas autorias foram desvendadas. Ao todo foram 53. Estamos trabalhando nos outros 40 casos deste ano, além de continuar inquéritos anteriores”, salientou o policial.

Segundo ele, somente no mês de fevereiro foram instaurados 33 inquéritos para apurar crimes contra a vida.

Até ontem havia 1.291 inquéritos em andamento, presididos por apenas três delegados, o titular, o adjunto e um operacional. “O motivo da maioria dos casos é primeiramente o tráfico de drogas. Em segundo lugar é a divisão de objetos frutos de furto e roubo”, frisou Neimir.