Diretoria, professores e pais de alunos do Colégio Estadual Professora Rosilda de Souza Oliveira, no bairro Guarituba, em Piraquara, fizeram diversas visitas, na tarde de anteontem, às autoridades governamentais para expor os problemas dos arrombamentos e a falta de segurança na escola. No último sábado, ocorreu a décima invasão em três meses, quando foram destruídos alguns documentos e dependências (cozinha, sala dos professores, salada supervisão e biblioteca) do colégio.

Somente hoje as aulas serão retomadas normalmente. Segunda-feira e ontem foram dias de limpeza e contabilização dos prejuízos. Para a direção da escola, o problema do último arrombamento foi a sujeira deixada pelos vândalos. As paredes e portas das salas vão precisar de pintura. Material didático, armários e lâmpadas de emergência foram danificadas, mas não se sabe ainda o tamanho do prejuízo.

Negociações

Segundo o diretor do colégio, Sérgio Roberto Antunes, as negociações com o Núcleo Regional de Educação resultaram na contratação de um caseiro, que vai morar no local para cuidar do patrimônio público. A reivindicação sobre as grades nas janelas e alarmes ainda não foi atendida, devido à demora do repasse das verbas do governo federal para a Secretaria de Estado da Educação.

Nas negociações com a Polícia Militar, Antunes conseguiu intensificar as visitas da Patrulha Escolar, auxílio na investigação do uso de drogas dentro do colégio e um atendimento mais eficaz por parte da polícia. “A gente sabe que é difícil solucionar um caso de segurança pública, mas esperamos que melhore um pouco a partir de agora”, comenta o diretor.

Além dessas medidas, a escola vai promover hoje, com todos os 900 alunos, atividades especiais abordando o combate à violência e a importância de preservar o patrimônio da escola.