Após visitar a filha de 4 anos no hospital, o metalúrgico desempregado Claudinei Antônio Pedroso, 33 anos, envolveu-se em uma briga na rua e foi morto a tiros, no final da madrugada de ontem, em Araucária.

Baleado na cabeça, ele foi levado pelo Siate para o pronto-socorro do Hospital NIS III, porém já estava sem vida. Poucas horas depois, Carlos Alexandre de Lima, o “Patinho”, 27 anos; Alexsandro Ramos da Rocha, 19, e Welinton Veiga do Prado, 24, foram presos acusados de participação no assassinato. A arma do crime, um revólver calibre 38, também foi apreendida pela polícia.

Na noite de quinta-feira, Claudinei passou um tempo com a filha, que está hospitalizada e depois foi ao boteco com um amigo. Por volta das 3h, quando os dois caminhavam pela Avenida Doutor Victor do Amaral, desentenderam-se com desconhecidos.

“Três rapazes e uma adolescente, em duas motocicletas, passaram e esbarraram nos amigos. O Claudinei não gostou e fez um gesto para eles”, explicou o delegado Rubens Recalcatti.

Os rapazes desceram da motocicleta e “houve luta. Claudinei pegou uma ripa para se defender. Alguém sacou um revólver e atirou”, acrescentou Recalcatti. O metalúrgico levou três tiros e morreu antes de chegar no hospital. O amigo não ficou ferido.

Celular

Policiais militares do 17.º Batalhão conseguiram localizar as motocicletas usadas pelos autores, uma azul e outra vermelha. No final da madrugada, os suspeitos foram abordados e seus celulares os “entregaram”.

“Os policiais checaram os celulares e viram que havia fotos deles com revólver”, informou o delegado. O revólver foi encontrado na casa de um deles e todos foram conduzidos à delegacia.

A adolescente foi ouvida e liberada. Já os três rapazes foram autuados em flagrante. “O Alexsandro confessou ter atirado. Porém, alegou que foi o Carlos que lhe entregou a arma”, lembrou Recalcatti. Segundo o delegado, nenhum deles tinha passagem pela polícia.