Quem via Emerson Eduardo Toldo, de 44 anos, em um hospital de Curitiba, não imaginava que ele poderia estar ali fingindo ser médico. Segundo a Polícia Civil, era exatamente isso que ele fazia há alguns meses. O homem foi preso na última sexta-feira (18), quando se fazia passar por médico residente em cardiologia. Com ele a polícia apreendeu um diploma falso do curso de medicina e outros objetos usados por médicos, como jaleco e estetoscópio.

A prisão foi feita em flagrante, por policiais da Delegacia de Estelionato (DE), que foram ao hospital apurar a denúncia. De acordo com o delegado Wallace de Oliveira Brito, a especializada investigava golpes ocorridos nos hospitais da capital e da Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

“A nossa investigação era com base em desfalques financeiros de familiares de pessoas internadas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), a pretexto de ministrar ao paciente alguns medicamentos que o hospital não possui, induzindo a vítima a depositar valores para esse fim”, explicou o delegado.

Por causa das investigações, policiais passaram a apurar a informação da ação do falso médico que atuava no hospital que fica no bairro Batel, em Curitiba. “Acabamos por flagrá-lo, vimos que se tratava de uma fraude, o que culminou com a prisão do suspeito, que foi preso por estelionato, falsidade ideológica e documental e exercício ilegal da medicina”.

A ação

De acordo com o delegado, o homem apresentou um diploma da Bolívia. O documento foi verificado e os policiais descobriram que era falso. “Ainda não sabemos como ele agia e quais eram as intenções dele no hospital, mas ele foi preso, a princípio, por levar o hospital a engano e por apresentar documentos falsos”, explicou Wallace.

Ao ser preso, Emerson foi flagrado com um jaleco e estaria atuando na especialidade de cardiologia. Aos policiais, o homem insistiu em dizer que o diploma dele é verdadeiro, mesmo tendo conhecimento de que os investigadores já teriam a comprovação, enviada pela universidade estrangeira, de que o documento era falso.

A polícia ainda não sabe se, na prática, Emerson atendia e medicava pacientes. “Vamos investigar e apurar tudo isso a partir de agora”, disse o delegado. O hospital ainda não se manifestou sobre a prisão do homem. 

Delegado Wallace disse que ele ja vinha sendo investigado.