A violenta Vila União, no Uberaba, voltou a ser palco de mortes no fim de semana. Em 24 horas, dois rapazes foram assassinados a tiros, sem que a polícia tenha conseguido levantar informações que levem ao paradeiro dos criminosos. O primeiro crime ocorreu na madrugada de sábado, às 5h. Um homem com cerca de 25 anos foi executado com cinco tiros, próximo da linha ferrea. Já no domingo, também às 5h, Ivan Santana da Silva, 23, foi morto na rua central, diante de vários amigos. Ocupantes de um Chevette azul, modelo antigo, são os acusados deste assassinato. Moradores da região informaram que este veículo tem sido visto com freqüência, rodando pelas ruas da vila, aterrorizando as pessoas.

Bandidos não economizaram balas para tirar a vida do jovem não identificado, cujo corpo foi encontrado próximo da linha do trem. Ele recebeu cinco tiros na cabeça. Embora muitos curiosos tenham acompanhado os trabalhos da polícia, ninguém soube dar qualquer informação a respeito do fato. Amedrontados pela violência, populares preferem se calar, temendo qualquer represália. A expectativa da polícia é que, durante a semana, através de ligações anônimas, alguém denuncie o homicida (ou homicidas) ou ainda forneça qualquer pista que possa dar andamento às investigações. O corpo do desconhecido foi removido ao necrotério do Instituto Médico Legal (IML).

Outro

Completavam-se 24 horas do primeiro assassinato quando Ivan Santana da Silva teve o mesmo trágico fim. Ele conversava com amigos, na Rua Central da invasão, quando aproximou-se o Chevette azul, modelo antigo, ocupado por dois homens. O carro passou pelo grupo e um dos ocupantes atirou várias vezes. Ivan foi atingido no peito e morreu na hora. De acordo com as testemunhas, tudo aconteceu muito rápido e ninguém anotou a placa do automóvel. Os colegas de Ivan também não souberam dar mais informações aos policiais que atenderam o caso. Disseram-se "abalados" com o episódio.

A polícia sequer apurou se os tiros eram dirigido mesmo a Ivan ou teriam outra pessoa como alvo. Parentes e amigos do jovem executado deverão ser ouvidos na Delegacia de Homicídios, na tentativa de apurar qualquer informação que possa levar ao esclarecimento do crime. Ivan era morador da vila.