Uma distribuidora de bebidas na Rua Jornalista Geraldo Russi, 347, no Pilarzinho, estava sendo usada como "fachada" para outro tipo de negócio: o tráfico de drogas. No final da tarde de segunda-feira, o proprietário do estabelecimento, Sebastião Alves (foto), mais conhecido como "Tião", 64 anos, foi atuado em flagrante pelo delegado Celso Neves, do 3.º Distrito Policial (Mercês).

O superintendente Carlos Amaral informou que os investigadores Osmair e Milsted estavam trabalhando para apurar os pontos de drogas do bairro e descobriram que viciados iam até a distribuidora para adquirir pedras de crack, que eram vendidas a R$ 5,00 a unidade. Às 17h de segunda-feira, os policiais abordaram um rapaz, que confessou ter comprado duas pedras. Em seguida, eles entraram na distribuidora e ao revistarem o estabelecimento encontraram mais 12 pedras, armazenadas em papel alumínio, e R$ 400,00 em cédulas de baixo valor.

No interrogatório, Sebastião confessou que compra 100 gramas de crack semanalmente de um indivíduo chamado Mauro, pagando R$ 200,00. "Ele admitiu que tem um lucro de R$ 100,00 em cada negociação", contou Amaral.

Ao ser indagado pela reportagem sobre o tráfico na distribuidora, a princípio, "Tião" negou e alegou que era usuário. Pouco depois, ele revelou que pretendia abrir um bar no local, mas "como estou com problemas de saúde passei a vender crack há dois meses", confessou.