Pode ser paulista o homem esquartejado e jogado no Rio Guaíra, no Parolin, na manhã de 21 junho. A Delegacia de Homicídios enviou impressões digitais da vítima à polícia do estado vizinho, na esperança de descobrir sua identidade.

As impressões do homem não encontraram registro no Instituto de Identificação do Paraná. O indicativo de que ele seria de São Paulo surgiu de uma pista recebida pela DH, que já tem um suspeito do crime. “Seria uma vingança. O autor teria motivos para cometer o assassinato”, falou o superintendente da delegacia, Miguel Gumiero, que evitou dar maiores detalhes para não atrapalhar a investigação. “Se a vítima for mesmo quem estamos pensando, a suspeita é forte”, concluiu.

O desconhecido, aparentando 25 anos e com braços e pernas repletos de tatuagens, foi cortado em nove partes e colocado numa bolsa de náilon verde, jogada no córrego que passa pela Rua Augusto de Mari, Parolin. O homem, que teve até o pênis extirpado, havia sido morto a facadas.